Free Essay

Tecnologia Da Informação Aplicada a Logistica

In: Business and Management

Submitted By prbmcm
Words 7423
Pages 30
Como através da Tecnologia da Informação, organizações conseguem posicionar suas cadeias de abastecimento para competir em um ambiente econômico altamente volátil.

Tecnologia da Informação Aplicada a Logística

Paulo Roberto Bertaglia

Tecnologia da Informação Aplicada a Logística 2014 – Direitos Reservados: Paulo Roberto Bertaglia

Tecnologia da Informação Aplicada a Logística

Tecnologia da Informação Aplicada a Logística
Autor: Paulo Roberto Bertaglia paulo.bertaglia@premiattaplus.com Publicado na Revista Mundo Logística – Edição 34
Como através da Tecnologia da Informação, organizações conseguem posicionar suas cadeias de abastecimento para competir em um ambiente econômico altamente volátil.

Paulo R Bertaglia possui extensa vivência e experiência profissional nas áreas de planejamento, compras, logística, manufatura, tecnologia da informação, consultoria de negócios, terceirização e vendas de serviços. Ao longo de sua carreira especializou-se principalmente nas áreas de Supply Chain Management, Gestão estratégica de Negócios e Terceirização de Serviços. Nos últimos 30 anos, trabalhou em grandes empresas tais como: IBM, Unilever, Hewlett-Packard, Oracle e EDS. Formado em Administração de Empresas e Análise de Sistemas, Bertaglia acumula também a função de professor de pós-graduação em Logística, Gestão Estratégica de Negócios e Tecnologia da Informação. Atualmente é Sócio-Diretor da PREMIATTA (http://www.premiattaplus.com.br), organização voltada à Gestão e treinamento empresarial com foco em planejamento estratégico e operacional, Compras e Distribuição, além de modelagem e otimização de processos de negócios e desenho e operações do Supply Chain e Vendas. Paulo é professos de Pós-graduação e ainda escritor especialista para cursos universitários. É autor dos livros Logística e Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento lançado pela Editora Saraiva, Serviço a Cliente e Estratégias de Logística Global, além de inúmeros artigos publicados por meios de comunicação nacionais e internacionais. http://www.linkedin.com/in/paulobertaglia Este artigo tem como objetivo principal explorar os potenciais da tecnologia da informação e como sua utilização traz a diferenciação e a vantagem competitiva. Os desafios que a cadeia de abastecimento tem enfrentado não podem ser solucionados sem a utilização pragmática de elementos tecnológicos. Alguns são básicos, que já não correspondem a uma vantagem competitiva senão a uma necessidade para não ficar em desvantagem, como é o caso dos sistemas de gestão empresarial e mesmo alguns sistemas especialistas exemplificados por gestão eficaz dos transportes e dos armazéns. Os objetivos estratégicos voltados à redução de custos e maior desempenho no atendimento ao cliente exigem uma orquestração inteligente da cadeia em busca de visibilidade e agilidade para proporcionar uma melhor tomada de decisão. A boa notícia é que grande parte da tecnologia existente apresenta maturidade elevada e a maioria está bastante acessível em termos de preços e competência profissional para implantação e extração de seu potencial, dada à forte competição entre importantes fornecedores existentes no mercado.

2014 – Direitos Reservados: Paulo Roberto Bertaglia
1

Tecnologia da Informação Aplicada a Logística

Introdução
As organizações globais e domésticas, após profundas crises, enfrentam mudanças cada vez mais significativas. A economia sofre modificações importantes, com crescimentos quase nulos na parte oeste, a começar pelos EUA, e a força do crescimento se movendo para Ásia principalmente a China. Por outro lado, os clientes cada vez mais são orientados a valor e qualidade e os riscos financeiros começam a despontar em todos os lugares, causando incertezas nas projeções e planejamentos das empresas. Em paralelo, a estagnação da economia tem apressado a adoção de novas tecnologias, as quais têm proporcionado uma transformação gigantesca no mundo dos negócios e gerado uma oportunidade importante na criação de riqueza e de empregos, notadamente nos países emergentes. Exemplos característicos e globais são as redes sociais, a mobilidade com celulares cada vez mais capazes, telecomunicações mais eficazes, educação online, uso de dados de maneira mais inteligente e utilização do conceito de computação nas nuvens. O desenvolvimento econômico e tecnológico está fortemente conectado. Os líderes empresariais necessitam se conscientizar dos novos desafios que suas empresas obrigatoriamente têm enfrentado. A construção de riquezas em alguns países emergentes gera tremendo potencial de oportunidade para aquelas empresas que conseguem compreender o momento e tirar proveito dele. Portanto fazer uso adequadamente da tecnologia na organização de forma estruturada e objetiva, seguramente irá trazer vantagens importantes. As organizações se transformam, e a tecnologia é um elemento fundamental nessa transformação. Já é possível fazer compras diretamente dos lares, de onde se solicita o que se quer, paga-se e recebe os produtos sem ter o trabalho de sair e ir a um estabelecimento comercial. O famoso tripé pessoas, processos e tecnologia mais que nunca é fundamental. Qualquer iniciativa no mundo da tecnologia da informação exige mudanças culturais e de processos. Para que uma organização possa colher os frutos de um mundo voltado para a informação e tecnologia, deve tomar alguns cuidados especiais. Ter uma visão estratégica voltada para o cliente é essencial; a habilidade para inovar deve ser característica da empresa, como também inovação em produtos e em processos e em criatividade. Contudo, da mesma forma que não se inicia uma casa pelo telhado, a orientação da estratégia não pode ser tecnológica. Primeiro, o processo, o desenvolvimento da estratégia, o reconhecimento das fortalezas e debilidades, a busca pela competência necessária. Depois, sim, a definição de solução tecnológica. A economia global e agora digital é uma realidade. A Internet estabeleceu uma mudança significativa no mundo dos negócios e apareceu como elemento transformador em vários aspectos da forma de fazer negócio, criando novas oportunidades, rompendo barreiras e atuando como um novo canal de aquisição, informação, comunicação entre outros não menos importantes. Através de sua existência, se geraram transformações profundas no mercado, desde o comportamento do consumidor e o entendimento de suas necessidades que possibilitaram a criação de novos modelos de negócio antes não vislumbrados. A tecnologia móvel fortalece o conceito deste novo modelo de realizar transações, uma vez que através de celulares e outros dispositivos similares, é possível fazer negócios de qualquer lugar do planeta. As organizações se encaminham e se preparam para uma transformação cada vez mais digital. A tecnologia e a globalização são duas forças que geram impactos nas organizações. Estes impactos possuem vantagens e desvantagens e cabe às organizações tirar o melhor proveito dos mesmos, já que estão interligados. Os diversos segmentos como varejo, manufatura, mídia, bancos, telecomunicações estão cada vez mais se remodelando devido e através da tecnologia da informação. Outro fator interessante é que a tecnologia se torna acessível, ainda que cara, a países em desenvolvimento proporcionando às organizações financeiramente estáveis investir pesadamente e concorrer de igual para igual com aquelas existentes nos mercados mais desenvolvidos. Os mercados emergentes começam a se sobressair devido ao rápido crescimento econômico, com nível populacional crescendo e melhorando os níveis de vida da população. No Brasil, as classes C e D emergem, e o uso de tecnologia como banda larga e internet é uma realidade massiva. Este fenômeno social chama a atenção

2014 – Direitos Reservados: Paulo Roberto Bertaglia
2

Tecnologia da Informação Aplicada a Logística de empresas que olham para os mercados emergentes como oportunidade de crescimento. Empresas com maior capacidade de descobrir nichos e se adaptar a esta realidade levam vantagem sobre as demais. Os negócios evoluem numa velocidade espantosa e constantemente. Isto se deve principalmente ao crescimento de alguns países e a existência de novas tecnologias, que aceleram as atividades organizacionais, notadamente no aspecto de desenvolvimento de produtos, envolvendo iniciativas de fabricação, movimentação e respostas mais adequadas às necessidades dos clientes e consumidores finais. A tecnologia além de ser um elemento viabilizador de uma série de funções, permite usar inteligentemente dados que são capturados interna e externamente propiciando maior velocidade e acurácia nas tomadas de decisão e análise de oportunidades e seus potenciais riscos. A economia digital demanda muito mais flexibilidade e agilidade. Organizações que atuam com estratégias, estruturas e políticas arcaicas e rígidas, extremamente voltadas para o controle e processos internos tendem a sofrer uma concorrência cada vez mais forte daquelas empresas que são orientadas ao mercado e trabalham na velocidade deste, seja no desenvolvimento de produtos, na resposta ao mercado ou suporte a estes produtos. Classes sociais constantemente fazem uso de internet através de equipamentos eletrônicos de pequeno porte – celulares e similares. Estrategicamente as empresas não podem estar alheias a estes acontecimentos e mobilidade deve estar incorporada a estratégia da organização. Por outro lado, dentro do contexto onde a velocidade aumenta, as lacunas voltadas para a segurança ficam cada vez mais expostas e consequentemente mais proteção aos processos e dados deve ser considerada.

TENDÊNCIAS TECNOLÓGICAS MODELANDO O FUTURO DA LOGÍSTICA
Já de longo tempo a tecnologia da informação tem sido de extremo suporte às atividades e funções pertinentes a cadeia de abastecimento. A integração de processos, dados e aplicações com clientes e fornecedores é uma necessidade básica de qualquer organização e é importante afirmar que as ferramentas para esta integração estão disponíveis e com grau de maturidade bastante elevado. Os benefícios provenientes do uso destas ferramentas geram melhores níveis de serviço aos clientes, custos mais competitivos e crescimento mais consistente. Pode parecer óbvio, mas é extremamente importante que a cada adição ou implantação de uma nova tecnologia, os processos sejam revisitados para se obter o máximo de resultados. A complexidade das mudanças e transformações a serem executadas está sensivelmente conectada ao tipo de tecnologia que será inserida. Na prática, a implantação de um sistema voltado para controle de estoques, ou a implantação de um TMS (Transportation Management System) – Sistema de Gerenciamento de Transportes, demanda menor revisão ou reengenharia de processos que um completo sistema de gestão empresarial – ERP, ou mesmo uma solução completa para o “Supply Chain Management”, nos quais se inclui também a solução de controle de estoques. A tecnologia possibilita ainda visualizar os processos através de ferramentas BPM (Business Process Management) – Gestão de Processos de Negócio as quais permitem modelar os processos e identificar oportunidades de melhoria. Ainda que as operações logísticas não recebam a atenção devida de grande parte das organizações, esta área se encontra sob forte pressão para maximizar desempenho, enquanto as condições mercadológicas se tornam mais difíceis e complexas. Em tal cenário, não resta dúvidas de que a tecnologia necessita ser investigada e usada, e seguramente a atenção da liderança deve estar voltada também para esta função, para eficazmente dar as respostas buscadas pelos clientes.

Decisões mais ágeis
Algumas tendências oferecem oportunidades importantes para a tomada de decisões. Entre elas estão mobilidade e redes de processos de negócios. De uma maneira geral, a mobilidade causa um impacto significativo no mundo em que vivemos e o impacto da mesma nas organizações continua uma tendência crescente, principalmente no contexto da logística global onde a necessidade das decisões em tempo real tem demandado cada vez mais dos sistemas e processos existentes. Soluções que tragam maior visibilidade e controle da cadeia de abastecimento precisam ter uma visão mais abrangente dos processos e extrapolar as quatro paredes da organização.

2014 – Direitos Reservados: Paulo Roberto Bertaglia
3

Tecnologia da Informação Aplicada a Logística
A mobilidade continua melhorando a competitividade das organizações, uma vez que oferece maior agilidade e oferece melhores condições para reações mais rápidas. Recentemente emergiu o conceito do “Big Data”. Este é um termo que surgiu para referir-se ao enorme volume de dados encontrados pela sociedade e pelas empresas. A possibilidade de reunir os dados das diferentes organizações existentes na cadeia de valor, transformando-os em informações úteis e exequíveis passa a ser o grande desafio em múltiplas áreas. Soluções voltadas a processar os dados e transforma-los em informações tem sido disponibilizadas no mercado. O bom uso destas soluções permite o suporte às decisões e a utilização das mesmas fazendo sinergia com ferramentas voltadas para a visibilidade da cadeia de abastecimento, passa a ser uma necessidade inquestionável para aumentar o desempenho das organizações.

Colaboração
As redes de processos de negócio é um conceito, respaldado fortemente por tecnologias existentes onde as empresas extrapolam a sua cadeia de valor movendo-se para fora de suas fronteiras e participando de processos de negócios de outras empresas para se complementarem. Estas redes são importantes para desenhar e executar processos para uma cadeia de abastecimento inteiramente colaborativa, envolvendo várias organizações – desde o varejo até fornecedores - e aumentando a visibilidade dos processos. Esta iniciativa permite reduzir custos na cadeia devido a um maior controle dos estoques e execução logística baseado em decisões conjuntas. A qualidade dos serviços é melhorada devido a uma maior agilidade e mais inteligente forma de resposta às demandas. Claramente, a melhor forma de otimizar os custos da cadeia de valor não é deslocando a ineficiência para outros membros da cadeia, ainda que deveras comum, mas sim encontrando proposições sustentáveis que ofereçam soluções mais competitivas. É importante considerar não apenas as grandes empresas neste modelo. Existem membros na cadeia que apresentam um campo extremamente fértil no campo colaborativo, como é o caso de transportadores e terceiros muitas vezes responsáveis por fazer o acondicionamento de produtos e até mesmo a separação dos pedidos para posterior movimentação. Quanto mais se integra estes elementos no processo e se permite sua participação, maiores podem ser os benefícios tangíveis e intangíveis.

Resposta eficiente a clientes e consumidores
Já desde longo tempo atividades voltadas para melhor entender e atender ao cliente tem sido desenvolvidas alinhadas a uma redução cíclica de custos. Este balanceamento estratégico é extremamente importante, uma vez que o aumento de nível de serviço muitas vezes leva a maiores custos na cadeia de valor decorrente de elevação de estoques, investimentos e inovações e entregas agilizadas para mencionar alguns elementos. Por outro lado, a preocupação com a execução em sintonia com o planejamento tem sido um desafio na cadeia de abastecimento. As organizações cujo planejamento é baseado nas estimativas encontram ainda maior dificuldade, já que a complexidade e os eventos que causam problemas são muitos e podem levar a sérias rupturas no cumprimento dos objetivos, desde greves, lentidão e burocracia alfandegária, acidentes nas rodovias, atrasos de produção em outros membros da cadeia, problemas de qualidade, entre outros muitos. A capacidade de reação de cada organização com relação aos elementos antes mencionados pode dar-lhe uma vantagem competitiva importante. Por isso também a importância de se ter um alto e efetivo controle da cadeia que venha a dar maior visibilidade dos processos e dos eventos. Ao longo dos anos, a cadeia de abastecimento tem sido alvo de constantes otimizações tornando a cada vez mais enxuta. Portanto os níveis de estoque decresceram significativamente obrigando as empresas a serem muito mais eficazes quando ocorrem eventos não planejados ou não esperados. Quando problemas ocorrem na cadeia, a possibilidade de se faltar estoque é eminente, podendo causar paradas de produção se componentes importantes não forem entregues a tempo ou perda de receita e insatisfação caso o cliente final não receba o produto. Essa busca exacerbada por redução de estoques tem gerado significativos impactos na cadeia logística. Os problemas sempre existirão, por mais que se tente minimiza-los. Ocasionalmente se vê em algumas organizações a existência de planos de contingência para atender alguns clientes mais estratégicos. Às vezes é melhor ter um

2014 – Direitos Reservados: Paulo Roberto Bertaglia
4

Tecnologia da Informação Aplicada a Logística custo de capital maior que perder o cliente em decorrência da deterioração de níveis de serviço provocada pela síndrome da redução dos níveis de estoque na cadeia. Logicamente, há que se encontrar uma equação segura entre prestar um bom serviço ao cliente, com uma execução alinhada ao planejamento. As ferramentas tecnológicas quando bem implantadas e usadas pode trazer este suporte aos decisores.

Administração de riscos
As organizações enfrentam grandes desafios voltados para a administração dos riscos na cadeia de abastecimento. As otimizações e as reduções de custos, através de conceitos como Just-in-time e redução de fornecedores, e o real enxugamento da cadeia de abastecimento tem levado as empresas a enfrentarem maiores riscos. Não bastasse isso, características externas como economias voláteis e incertas, regras impostas pelos governos, clientes mais demandantes, ciclos mais curtos e rápidos da vida dos produtos também geram os seus impactos. Para tanto, as empresas se voltam ao desenvolvimento e implementação de estratégias visando reduzir as vulnerabilidades através de uma abordagem pragmática, identificando os pontos de falha ao longo da cadeia de abastecimento. Planos estratégicos de mitigação e contingência são construídos com a finalidade de evitar possíveis rupturas. Inovação e tecnologia são constantemente acessadas para solucionarem estas brechas.

Visibilidade
De uns tempos para cá, as exigências voltadas a ter um maior controle do que ocorre na cadeia como um todo tem sido um requisito forte nas organizações. Para tanto, aplicações tecnológicas que retornam informações que possibilitam maior visibilidade do que está ocorrendo tem sido bastante comuns no dia a dia das empresas. Mas o que é esta tão famigerada visibilidade da cadeia de que tanto se fala? É a capacidade que as organizações possuem de rastrear produtos, materiais, componentes que se encontram em deslocamento de um fabricante até seu ponto de uso. O importante do uso do conceito suportado por tecnologias já maduras é a possibilidade que se tem de também dar a conhecer ao cliente final qual é a posição e a situação do item em trânsito. A tecnologia permite respostas rápidas, melhorando e fortalecendo a cadeia de valor. Sistemas especialistas de transporte – TMS – e de armazenagem – WMS (Warehouse Management System) – apoiam sobremaneira esta funcionalidade permitindo acessos mais rápidos e com informações mais claras dos eventos.

Otimização de custos
Muitas são as oportunidades para a otimização de custos na cadeia de abastecimento. E o equilíbrio entre a redução de custos e os níveis de serviço ao cliente é uma equação nem sempre fácil de ser encontrada, pois se conectam a uma série de eventos e variáveis ao longo da cadeia nem sempre previstos, como é o caso de acidentes, greves e até muitas vezes imposições governamentais ou a entrada de um novo concorrente no mercado que pode desestabilizar a o fluxo e funcionamento da cadeia da valor. Promover a redução de custos significa avaliar a cadeia fim a fim, seja na estratégia e nas capacidades de produção, níveis de estoque, desenho da cadeia de abastecimento e fluxo dos processos, bem como equipamentos de movimentação para trechos longos e os curtos e internos à organização. E logicamente pessoas. Ferramentas sofisticadas para lidar com estes elementos existem no mercado e são amplamente acessíveis. A aplicação destas ferramentas não está apenas vinculada a funções apenas operacionais. Os níveis táticos e estratégicos também são atendidos, promovendo uma melhoria contínua, com sensíveis identificações de onde os custos podem ser otimizados, gerando uma cadeia mais ágil e confiável. A otimização de rotas dos veículos através de sistemas especialistas, como o TMS tem sido regularmente avaliados pelas empresas como fator de eficiência.

2014 – Direitos Reservados: Paulo Roberto Bertaglia
5

Tecnologia da Informação Aplicada a Logística
COMO AS ORGANIZAÇÕES SÃO AFETADAS PELA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO
Atuando no extremo da cadeia, por intermédio da demanda, os clientes estão exigindo maior flexibilidade, melhores serviços, qualidade superior e preço adequado. Com essa orientação estratégica, começam a aparecer dificuldades no processo, principalmente no reconhecimento das fontes de fornecimento que podem oferecer maior competitividade. Existe uma maior necessidade de obter informações sobre o desempenho dos fornecedores e de suas qualificações, seja para serviços simples ou complexos, seja para materiais que comporão produtos já existentes ou para novos produtos que requerem perfis diferenciados de fornecedores. É fundamental que tanto fornecedores como clientes compradores estejam conscientes do desempenho de cada um, com relação a requerimentos, capacidades e posicionamento de mercado. Essa afirmação vale para ambos os lados. Embora o cliente tenha o direito de exigir desempenho do seu fornecedor, este por sua vez deve exigir reconhecimento pelo serviço realizado. Em resumo, o termo colaboração, no que se refere ao conceito “ganhaganha”, aparece uma vez mais como elemento de valor agregado para as organizações. Ainda que pareça um clichê, essa expressão deve valer para todos os níveis do relacionamento. As organizações devem considerar formas diferentes para manter sua competitividade e diferencial no mercado; devem se preocupar com a relevância que têm a cadeia de abastecimento e de demanda no processo estratégico de fornecimento e compra, buscando redução de custos, velocidade e nível de serviço com qualidade. A gestão da cadeia de abastecimento orientada pela demanda é uma mudança de paradigma. Os clientes, por meio da cadeia de valor, estão determinando como querem os seus pedidos, como e quando devem ser entregues e como devem ser manuseados. A redução dos custos de manutenção dos estoques é um dos grandes objetivos. O nível de serviço é indicador fundamental no relacionamento: as ordens precisam ser despachadas com todos os itens, na quantidade exigida, no tempo requerido e na qualidade especificada. Cumprir esses requisitos significa continuidade dos negócios. Caso contrário, as perdas podem ser irreparáveis. Contudo, muitas empresas ainda não estão preparadas para “fornecer” ou para “comprar”. Não entendem a cadeia de abastecimento e o direcionamento que a demanda impõe. Hoje, não se fala mais em pedir, transportar e receber. Fala-se em logística. Fala-se em cadeia de abastecimento, que vai do fornecedor até o cliente final. É composto por estratégias, alianças, processos, relacionamento e respeito mútuo. Portanto, quem não entender dessa forma está fora do mercado! O papel primordial da tecnologia da informação é prover suporte para as estratégias organizacionais que venham a trazer a vantagem competitiva ou pelo menos não deixar que haja uma desvantagem competitiva. Estrategicamen6te tecnologia e sistemas de informação podem e devem ser usados nas organizações para desenvolver serviços e produtos de tal maneira que venha a dar uma vantagem no mercado local e global, dependendo do contexto em que a empresa se insere. Quando menciono o conjunto de sistemas estratégicos estou me referindo a uma grande quantidade de possibilidades, inclusive aqueles sistemas que são chamados de transacionais, que realizam as atividades operacionais do dia, recebendo e enviando dados, que circulam interna e externamente a organização. Esta arquitetura de sistemas que usam a tecnologia como suporte podem ser sistemas corporativos de gestão (ERP´s), sistemas de suporte a decisão, ferramentas de planejamento, mas que seguramente ajudam a reduzir a desvantagem competitiva e atingir os objetivos estabelecidos pela organização. Na cadeia de abastecimento é muito evidente que as cadeias competem entre si, e não apenas empresas contra empresas. Neste contexto a integração é fundamental. E para tal, a adoção de ferramentais de tecnologia torna a vida da organização muito mais simples e se não lhe dá a vantagem competitiva, muitas vezes necessária, ao menos reduz o impacto da desvantagem.

2014 – Direitos Reservados: Paulo Roberto Bertaglia
6

Tecnologia da Informação Aplicada a Logística
SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL (ERP)
Conhecidamente, as áreas dentro das organizações atuavam e algumas ainda atuam, no formato dos silos, onde os departamentos desempenhavam independentemente entre eles e trocando informações absolutamente necessárias, porém sem a devida integração. Os sistemas de informação seguiam a mesma natureza. Existiam os sistemas contas a pagar e contas a receber, o sistema de produção e controle de estoque, planejamento de materiais, compras, produção, todos trabalhando individualmente e desarticulados. Estes sistemas se comunicavam via as famosas interfaces que transportavam os dados lá e cá. Esta prática evidentemente gerava ineficiências na cadeia de valor e nos processos internos. Surge então o conceito do ERP – Enterprise Resource Planning, ou sistema de gestão empresarial, que foi projetado com o propósito de melhorar a falta de integração e comunicação entre as diversas áreas empresariais. Pelo uso de um banco de dados comum às diversas funções se torna possível integrar as áreas, uma vez que, por exemplo, cadastros de produtos, materiais, clientes e fornecedores são elementos usados na maioria das funções organizacionais. Havia, portanto, uma redundância de recursos para manter os cadastros atualizados nas diversas áreas. A unificação das informações da empresa, concentrando num único ponto, proporciona maior visibilidade e maior agilidade na tomada das decisões. O ERP trouxe às empresas um aumento significativo na produtividade das organizações através da melhoria de eficiência, maior integração entre as áreas e maior confiabilidade nas informações, uma vez que a partir da implantação do sistema elas passaram a ser únicas para todas as áreas. Nos dias atuais as empresas têm muito mais facilidade para avaliar, controlar e administrar os seus negócios. No contexto da Logística, a integração proporcionada pelo ERP leva a geração de planos mais maduros e consistentes através de cadastros, compras, recebimentos, estoques e entregas mais confiáveis.

MOBILIDADE
A cadeia de valor cada vez mais tem requerido tomada de decisão em tempo real e muitas vezes as aplicações e sistemas existentes não correspondem e são extremamente deficientes para atender a este quesito. A procura por soluções que deem maior controle e visibilidade em tempo real obriga a implantar sistemas móveis que atuam fora das quatro paredes da organização. Aí a mobilidade desempenha um papel importante na criação de uma cadeia de abastecimento mais eficaz e inteligente. A utilização de conceitos de mobilidade, contudo passa primeiramente pelo seu uso adequado dentro da organização visando atender aos níveis de serviço adequados às demandas dos clientes e, por conseguinte gerando uma maior satisfação. Desta maneira, as empresas buscam melhorar a entrega, seja mantendo processos mais enxutos, controlando os estoques adequadamente, organizando o posicionamento dos produtos no depósito – através de WMS; ações essas que vão muito além de se manter controles manuais. Dispositivos sem fio são utilizados para alimentar sistemas corporativos em tempo real, invés de rodar lotes noturnos. Se as empresas buscam cada vez mais agilidade e visibilidade, as ações necessitam ser eficazes e imediatas em toda a cadeia. A partir do momento em que se melhora a visibilidade e o controle das quantidades – maior acurácia – há uma correspondência imediata na melhoria das entregas e dos níveis de serviço. Mas não basta otimizar a cadeia internamente. Para ter decisões mais rápidas, há que se ter colaboração entre as partes – fora das quatro paredes. Dispositivos inteligentes permitem aprovações ou mesmo alterações de pedidos de maneira muito mais rápida, sem a necessidade de estar presente no escritório. Há, portanto uma comunicação mais frequente, mais contínua na relação entre as diferentes áreas na cadeia e entre fornecedores e compradores, que seguramente permite a tomada de decisões muito mais rápidas. Os desafios são grandes e muitos espaços ainda existem para ser conquistado através do uso da tecnologia móvel. As organizações estão redesenhando seus processos e suas soluções visando incluir os benefícios que a tecnologia vem oferecendo. E têm obtido avanços extraordinários. O que há alguns anos atrás era “sonho” hoje já é uma realidade.

2014 – Direitos Reservados: Paulo Roberto Bertaglia
7

Tecnologia da Informação Aplicada a Logística
É certo que em futuro não muito distante, os líderes organizacionais poderão manter os negócios rodando sem a necessidade de estarem presentes em seus escritórios, podendo trabalhar remotamente ou visitando seus clientes e parceiros e automaticamente despachando suas atividades de qualquer lugar do globo. Interessante ainda mencionar, que há uma mudança de paradigma muito forte, pois esta tecnologia basicamente “questiona” estruturas em silos onde impera a falta de comunicação e de integração. A evolução tecnológica dos celulares, tanto nos dispositivos quantos nas aplicações, faz-nos crer que a tão almejada visibilidade em tempo real em pouco tempo será um benefício para muitos ao invés de utilização por poucos. A incorporação de GPS (Geographic Positioning Systems), as sempre avançadas funcionalidades nas aplicações e a capacidade de troca de mensagens, progrediram muito nos últimos anos. Para se ter uma ideia, existem aplicações que rodam em celulares que monitoram o posicionamento de veículos, despachos e trajeto, podendo relatar qualquer evento que venha a acontecer. A cobertura dos celulares tem sido outro fator positivo – ainda que melhorias devam ser rigorosamente e urgentemente implantadas. A quantidade de empreendedores interessados em investir nestas aplicações é bastante grande o que seguramente é outro benefício a ser considerado. Atualmente, a proliferação dos dispositivos móveis é crescente. Praticamente todas as pessoas possuem o seu aparelho. Isto se deve principalmente á queda dos preços, permitindo que um maior contingente de pessoas possa fazer a sua aquisição. Esta redução de preço é mais uma vantagem e beneficio para as empresas, o que há uma década seria proibitivo. Este fato seguramente abre as portas para um maior interesse das empresas em orientar a sua execução para obter maior visibilidade da cadeia através da utilização dos dispositivos móveis. Apenas empresas maiores conseguiam justificar o uso da tecnologia, o que limitava a expansão para fora das quatro paredes das organizações. Observando o mercado concluímos que o consumidor está cada vez mais imerso na busca de informações, relacionadas com o produto e com os níveis de serviço. As organizações que se orientam pela demanda, obrigatoriamente precisam entender este comportamento para avaliar como executar e agir internamente e cada vez mais colaborar com seus parceiros, independentemente de sua posição na cadeia de valor.

TECNOLOGIA PARA VISIBILIDADE E DESEMPENHO Modelando a Cadeia de Abastecimento
A modelagem da cadeia de abastecimento traz benefícios importantes no que concerne a visibilidade além de apresentar um método para realizar análises de cenários através de gráficos e mapas, em busca da melhor estratégia a ser adotada. O desenho ou projeção da cadeia de abastecimento, ou mesmo a modelagem e otimização da mesma está relacionada em determinar a infraestrutura logística dentro de um horizonte de planejamento. Estas decisões estão fortemente orientadas à estrutura física, como por exemplo localização de fábricas, armazéns, centros de distribuição, localização dos principais fornecedores e clientes. O objetivo da modelagem é buscar a melhor relação estratégica entre custos e níveis de serviço, maximizando os lucros e trazendo valor para a organização. É crucial entender as necessidades de negócio, as variáveis estratégicas para que haja uma definição ótima de onde alugar ou construir os ativos para obter um desempenho financeiro e operacional alinhado com as prerrogativas estratégicas. Conhecidamente existem muitos desafios na cadeia de abastecimento tanto no aspecto de execução como na modelagem, em função da enorme quantidade de variáveis existentes. O objetivo, normalmente é maximizar o lucro e os níveis de serviço ante a minimização dos custos e dos riscos. Os conflitos existem principalmente quando a organização possui uma variedade grande produtos, apresentando restrições e limitações de capacidade, com margens variadas para cada tipo de produto. As ferramentas existentes permitem efetuar simulações para identificar e visualizar as alternativas e como elas se comportam diante dos riscos associados, os quais podem afetar o desempenho e a capacidade que a organização pode ter para reagir às mudanças impostas pelo mercado. Esta funcionalidade é extremamente importante, pois suporta no direcionamento dos investimentos a serem realizados. Em paralelo, estas aplicações

2014 – Direitos Reservados: Paulo Roberto Bertaglia
8

Tecnologia da Informação Aplicada a Logística permitem determinar um equilíbrio entre o planejamento de longo prazo e os objetivos estabelecidos, possibilitando uma otimização da infraestrutura de produção e distribuição, em sintonia com as demandas projetadas dos clientes. As simulações na modelagem da infraestrutura da cadeia de abastecimento é algo extremamente complexo e mesmo as ferramentas existentes necessitam de pessoas especialistas no aplicativo e pessoas com conhecimento do negócio tanto estrategicamente quanto operacionalmente. Muitas empresas se dão mal nas implantações deste tipo de tecnologia exatamente porque delega a execução para a área de sistemas. Esta é uma iniciativa deveras importante para a organização e as melhores pessoas internas com conhecimento logístico e áreas correlatas devem participar efetivamente. Quando ocorre a decisão para se efetuar a modelagem do ecossistema logístico, seja para iniciar, expandir ou rever a malha da organização, muitos aspectos devem ser levados em consideração, visando prevenir que volatilidades de mercado não venham a impactar o sucesso da empresa. E não são apenas elementos técnicos como centros de distribuição, fábricas, armazéns, infraestrutura logística, custos de transporte para movimentar entre os diferentes sites, localização de clientes, fornecedores e concorrentes, que devem ser considerados, mas também macroeconômicos, tais como: impostos, tarifas, incentivos, variações monetárias entre outros.

RFID
RFID (Radio Frequency IDentification) é um termo genérico que descreve um sistema o qual transmite a identidade de um objeto ou mesmo pessoa usando ondas de rádio. Esta tecnologia se enquadra dentro de uma categoria tecnologia de identificação automática. Dentro desta categoria ou grupo encontram-se os leitores óticos, código de barras e leitores biométricos. Estes equipamentos em grande parte surgiram com o objetivo de eliminar as operações manuais e também aumentar a acurácia dos dados entrados em computadores. A diferença entre os coletores de código de barras, ainda bastante difundidos, é que estes necessitam da interação humana para sua operação, enquanto o RFID foi projetado para coletar dados e efetuar a transmissão sem a necessidade do ser humano. Milhares de organizações utilizam hoje esta tecnologia. O que mais tem atraído a atenção das empresas é efetivamente o potencial que a tecnologia oferece para uma maior visibilidade e maior controle da cadeia de abastecimento, uma vez que é perfeitamente factível identificar o posicionamento de um produto ao longo da cadeia de forma totalmente precisa. Os custos das etiquetas ainda continuam elevados e complexos estudos ainda precisam ser efetuados para concluir se é viável ou não a implantação do RFID, principalmente pelo lado tangível. Os leitores de rádio frequência posicionados em prateleiras ou em posições estratégicas podem monitorar o fluxo dos produtos movimentados entre áreas, despachados, vendidos, etc. Em supermercados, por exemplo, a tecnologia pode avisar a área de estoques quando os produtos nas gôndolas estão terminando para que sejam repostos. O mesmo pode passar entre a área de estoques do supermercado e o fornecedor de produto, para que haja um fluxo mais ágil e tudo sem a interferência de pessoas. Em 2003, a gigante varejista Wal-Mart deu o pontapé inicial para a divulgação e maior uso da tecnologia exigindo que os seus cem maiores clientes colocassem etiquetas em suas caixas de produtos. O objetivo era estrategicamente baixar o preço das etiquetas, possibilitando que outras empresas viessem a adotar a tecnologia. Embora não seja a única razão, de certa forma a estratégia funcionou. E RFID hoje é uma tecnologia poderosa e é um item importante na agenda das organizações.

Tecnologia de Reconhecimento de Voz
A tecnologia habilitada por voz está de certo forma assumindo a partir de onde a tecnologia de código de barras de certa forma permaneceu, com uma promessa de trazer à cadeia de abastecimento um maior desempenho operacional. Os trabalhadores nos depósitos e centros de distribuição conseguem elevar substancialmente a produtividade com um decréscimo dos erros de operação. E um sistema característico os profissionais usam aparelhos auriculares e microfones que se conectam a um computador. Este computador por sua vez se conecta a um servidor que roda a aplicação principal a qual irá receber os dados que são transmitidos através de ondas de rádio. A informação deste servidor é enviada ao computador móvel e é transformada em uma fala que é ouvida pelo

2014 – Direitos Reservados: Paulo Roberto Bertaglia
9

Tecnologia da Informação Aplicada a Logística operador através do auricular, dando instruções sobre o pedido a ser separado – essencialmente: produto, quantidade e local. Uma vez finalizada a operação, o profissional avisa da finalização do processo, o computador reconhece a voz e retroalimenta o servidor. Este processo permite que operadores trabalhem com as mão livres e não necessitem acessar informações em telas de computadores. No Brasil, o Pão de Açúcar, adotou a tecnologia em uma de suas unidades de distribuição, através da implantação da tecnologia de voz Vocollect.

NAVEGANDO NO COMÉRCIO ELETRÔNICO
O relacionamento entre o comércio eletrônico e a cadeia de abastecimento abriu novos caminhos para as organizações por meio do desenvolvimento de novos modelos de processos, suportados por ferramentas nunca antes imaginadas.

Comércio eletrônico e Cadeia de abastecimento

Entendendo o comércio eletrônico
O comércio eletrônico é um meio pelo qual as empresas podem se relacionar comercialmente com seus fornecedores, clientes e consumidores em uma escala global. Com a tecnologia da informação, é possível agilizar o fluxo de informações e reduzir os custos totais, já que ela possibilita a eliminação de certas barreiras existentes no comércio tradicional. Esse “relacionamento eletrônico” permite que as companhias sejam mais eficientes e flexíveis, respondam rapidamente às necessidades dos clientes e trabalhem de forma mais próxima dos fornecedores. A tecnologia tem evoluído rápida e constantemente. As organizações, aos tropeços, procuram acompanhar essa evolução, tentando alcançar a vantagem competitiva e tirar proveito dela. A Internet se apresenta como um meio de intercâmbio, cuja penetração é espetacular. Esse novo modelo de comercialização está mudando o dia-a-dia das empresas e das pessoas.. Ainda existem temas importantes a serem tratados, como a segurança das informações, principalmente com o cartão de crédito, confiabilidade na entrega, prazo e produto, preços e qualidade.

Impacto do comércio eletrônico nas organizações e na sociedade
O comércio eletrônico está transformando o mercado com mudanças nos modelos de negócio, nos relacionamentos entre as diversas organizações e com sua contribuição para a reestruturação do mercado. Não é um sonho ou algo que pertence ao futuro. É real e está acontecendo. E está acontecendo rapidamente, de forma que muitas histórias de sucesso já podem ser narradas.

2014 – Direitos Reservados: Paulo Roberto Bertaglia
10

Tecnologia da Informação Aplicada a Logística
O impacto do comércio eletrônico atinge tanto as empresas quanto a sociedade. As mudanças provenientes do seu uso influenciam radicalmente o comportamento e as expectativas dos clientes, de modo a redefinirem o mercado ou até mesmo criarem mercados totalmente novos. À sociedade é apresentada uma nova forma de acessar informações ou comprar bens. Barreiras geográficas e de tempo são eliminadas. O estilo de vida se altera.

Como a Internet afeta a cadeia de abastecimento
Em sua essência, o comércio eletrônico requer uma mudança radical na forma de pensar, agir e propor modelos de negócios, quer estejam voltados especificamente para a relação entre a indústria e o comércio ou entre o comércio e o consumidor. As organizações estão buscando um caminho para que o comércio eletrônico possa definitivamente melhorar os processos de negócio, tanto no âmbito interno como no externo. E, sem dúvida, o domínio da tecnologia levará a uma melhor integração das cadeias de abastecimento, tornando-as logisticamente muito mais eficientes. Independentemente das características e do envolvimento do cliente, é certo que o comércio eletrônico poderá afetar de forma positiva todas as cadeias de abastecimento e as organizações, puras ou tradicionais, e elas deverão estar preparadas para enfrentar esse novo modelo.

Portais de Compras
Os portais de compras são canais para aquisição de produtos e serviços, tanto diretos como indiretos, utilizando como meio principal a tecnologia da Internet cuja finalidade é suportar a obtenção de itens sejam estratégicos ou não, com maior agilidade na cadeia. Normalmente a missão principal dos portais de compras é alcançar os menores preços de produtos e serviços que estão sendo buscados, seja no contexto global ou local.

Leilão Reverso
O leilão reverso ou pregão eletrônico é um método para tomada de preços onde os fornecedores competem entre si com a finalidade de vender os seus produtos e/ou serviços. Esta é uma forma bastante dinâmica e prática cujo objetivo é alcançar preços mínimos e melhores condições de negociação rapidamente e é bastante utilizado para obtenção de produtos e materiais principalmente “commodities” como equipamentos de informática, através de aplicações eletrônicas, próprias ou alugadas. O leilão reverso ou pregão eletrônico, como o próprio nome diz é efetuado via sistemas que podem ser proprietários ou alugados, uma vez que existem muitas empresas no mercado que se especializaram em operar estas ferramentas. O processo é bastante simples. A empresa que irá adquirir os produtos ou serviços lança uma solicitação de compra via web e potenciais fornecedores comumente já cadastrados entram com os seus valores. As atividades se dão em um tempo bastante curto e os preços decrescem rapidamente, a cada rodada de negociação eletrônica. Os critérios para finalizar o leilão podem ser o atingimento do menor valor estipulado, número de rodadas ou mesmo por tempo. Quando escolhido o fornecedor é extremamente importante avaliar as condições de entrega e sua capacidade em entregar o produto ou serviço conforme especificação sem perder outras características como qualidade, recursos, níveis de serviço e elementos logísticos. Ainda que os fornecedores estejam propensos a apresentar propostas competitivas e de preço baixo, é conveniente avaliar se outros fornecedores potenciais estarão participando do processo. Este fator dá garantias de que critérios de qualidade possam ser cumpridos eliminando uma preocupação que deve estar sempre presente.

LOGISTICA REVERSA
Durante os últimos anos, a preocupação com o meio ambiente tem se tornado extremamente importante e um dos maiores problemas para autoridades, empresas e cidadãos comuns é de como solucionar a cada vez mais crescente geração de resíduos e como tratá-los.

2014 – Direitos Reservados: Paulo Roberto Bertaglia
11

Tecnologia da Informação Aplicada a Logística
Como os padrões e níveis de vida melhoram e a população cresce, o consumo aumenta em todas as suas esferas, tais como aquisição de produtos, consumo de água, maior demanda por alimento, maior necessidade de terras para plantio, criação de animais para abate e assim por diante. Atualmente, os produtos eletrônicos têm um ciclo de vida cada vez menor, tornando-se rapidamente obsoletos e com novas versões sendo lançadas a ciclos cada vez mais reduzidos. Em paralelo, a população demanda produtos cada vez mais ecologicamente corretos e obrigam fabricantes a adotar comportamentos cada vez mais voltados à proteção do meio ambiente. Por outro lado governantes criam leis de proteção ambiental obrigando cada vez mais as organizações a se preocuparem com um futuro cada vez mais responsável. Desta maneira, a reciclagem de materiais tem apresentado um aumentado interesse com o objetivo de reduzir perdas, resíduos e aumentar a eficiência. Iniciativas elogiáveis têm sido colocadas em prática com o intuito de proteger o meio ambiente, para evitar que metais, materiais eletrônicos, pilhas, baterias e pneus sejam lançados à natureza, em rios, florestas e lagos. Uma vez que o ciclo de vida dos produtos se torna mais reduzido e os governos obrigam as organizações a reciclar e dar um destino aos produtos e materiais obsoletos e danificados, as empresas se vêem na obrigação de buscar alternativas para melhorar ou mesmo criar sistemas de coleta e retorno de produtos e materiais para ganhar a confiança de consumidores e obter de certa forma uma vantagem competitiva. Enfim, as organizações ou pelo menos parte delas estão olhando a logística reversa como um processo que permite a otimização do fluxo reverso e buscam aproveitar-se do momento onde a grande preocupação está direcionada ao meio ambiente.

Uso da Tecnologia na Logistica Reversa
A Logística Reversa ainda que apresente alto potencial de receita e lucratividade, não tem recebido altos investimentos das empresas no emprego de tecnologia e por sua vez as empresas de tecnologia não tem investido suficientemente para atender aos requerimentos e funcionalidades necessárias para a sua boa administração. Os sistemas de ERP dos mais diversos desenvolvedores têm apresentado ainda características bastante rudimentares para suportar a iniciativa. O fato de os investimentos das organizações ainda serem concentrados no fluxo convencional da cadeia de abastecimento não tem atraído a atenção das empresas produtores de ERP. Com isso as empresas convivem com processos manuais, utilizando mão de obra intensiva, ou até mesmo terceirizando o problema. Não há dúvidas de que nos próximos anos a preocupação com a logística reversa e a administração dos retornos tende a aumentar e maiores investimentos seguramente serão direcionados para atender a esta demanda. A utilização da tecnologia para automatizar os retornos irão gerar muitas áreas de oportunidade tais como: melhoria no nível de serviço, uma vez que a flexibilidade nos programas de devolução proporciona uma maior facilidade para se realizara negócios; redução de custos devido às melhores decisões e visibilidade; maior controle e maior eficiência. As ferramentas tecnológicas permitem efetuar um rastreamento de produtos retornados, possibilitando ter uma visão histórica do fluxo do referido material. Funcionalidades convencionais, como programação de roteiros, programação operacional, controle de estoques, são elementos que podem perfeitamente ser administrados por tecnologias convencionais existentes e maduras.

CONSIDERAÇÕES FINAIS
Está muito claro que a tecnologia da informação já é parte integrante das estratégias das organizações. Em função dos desafios hoje existentes, dos aspectos econômicos, exigências de clientes, alta competitividade, regras governamentais, a tecnologia se apresenta como uma aliada importante no suporte às necessidades de negócio. Seja suporte às funções que buscam maior visibilidade ou naquelas que melhorem o desempenho de funcionários e de processos, os sistemas existem para apoiar as necessidades organizacionais.

2014 – Direitos Reservados: Paulo Roberto Bertaglia
12

Tecnologia da Informação Aplicada a Logística
Por outro lado, se deve avaliar cuidadosamente toda e qualquer iniciativa para colher resultados positivos e que fundamentalmente eles estejam alinhados com as estratégias da organização.

REFERÊNCIAS
BALLOU, Ronald H. Business logistics management. New Jersey: Prentice Hall, 1999 BERTAGLIA, Paulo Roberto. Logística e Gerenciamento da cadeia de Abastecimento. 2ª ed. São Paulo: Editora Saraiva, 2009 GYOREY, Trish. The challenges ahead for supply chains, USA: McKinsey & Company, 2010 JUNG Hosang. Trends in Supply Chain Design and Management: Technologies and Methodologies USA: Springer, 2007

2014 – Direitos Reservados: Paulo Roberto Bertaglia
13…...

Similar Documents

Free Essay

Estratégias Das Firmas Da Indústria de Transformação Brasileira

...DETERMINANTES DA INOVAÇÃO AMBIENTAL: UMA ANÁLISE DAS ESTRATÉGIAS DAS FIRMAS DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO BRASILEIRA JULIA MELLO DE QUEIROZ RIO DE JANEIRO AGOSTO 2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE ECONOMIA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO DETERMINANTES DA INOVAÇÃO AMBIENTAL: UMA ANÁLISE DAS ESTRATÉGIAS DAS FIRMAS DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO BRASILEIRA JULIA MELLO DE QUEIROZ ORIENTADOR: PROF. CARLOS EDUARDO FRICKMANN YOUNG RIO DE JANEIRO AGOSTO 2011 2   JULIA MELLO DE QUEIROZ DETERMINANTES DA INOVAÇÃO AMBIENTAL: UMA ANÁLISE DAS ESTRATÉGIAS DAS FIRMAS DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO BRASILEIRA Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de PósGraduação em Economia, Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro como parte dos requisitos necessários à obtenção do titulo de MESTRE em Ciências Econômicas. BANCA EXAMINADORA: ________________________________________________________ Professor Dr. Carlos Eduardo Frickman Young – Orientador ________________________________________________________ Professor Dr. José Eduardo Cassiolato ________________________________________________________ Professora Dra. Maria Cecília J. Lustosa RIO DE JANEIRO AGOSTO 2011 3   DETERMINANTES DA INOVAÇÃO AMBIENTAL: UMA ANÁLISE DAS ESTRATÉGIAS DAS FIRMAS DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO BRASILEIRA RESUMO: Diante da natureza dinâmica do papel da tecnologia sobre o meio ambiente, a dissertação analisa os determinantes......

Words: 39510 - Pages: 159

Free Essay

Motivação E Satisfação No Trabalho Em Uma Empresa de Alta Tecnologia - Estudo de Caso

...UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO - CCA ESCOLA SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E GERÊNCIA – ESAG PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO Linha de Pesquisa: Gestão Estratégica, de Processos e de Resultados. MOTIVAÇÃO E SATISFAÇÃO NO TRABALHO EM UMA EMPRESA DE ALTA TECNOLOGIA - ESTUDO DE CASO Roberto Kern Gomes Joinville – 2006 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO - CCA ESCOLA SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E GERÊNCIA – ESAG PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO Linha de Pesquisa: Gestão Estratégica, de Processos e de Resultados. MOTIVAÇÃO E SATISFAÇÃO NO TRABALHO EM UMA EMPRESA DE ALTA TECNOLOGIA - ESTUDO DE CASO Dissertação programa de apresentada Pós-Graduação ao em Administração da Universidade do Estado de Santa Catarina e Escola Superior de Administração e Gerência como requisito parcial para a obtenção do grau de Mestre em Administração. Área: Motivação e Satisfação no Trabalho. Orientador: Professor Luis Gonzaga Mattos Monteiro, Dr. Roberto Kern Gomes Joinville – 2006 1 MOTIVAÇÃO E SATISFAÇÃO NO TRABALHO EM UMA EMPRESA DE ALTA TECNOLOGIA - ESTUDO DE CASO. Esta Dissertação foi julgada adequada para a obtenção do título de Mestre em Administração e aprovada em sua forma final pelo Programa de PósGraduação em Administração da Universidade do Estado de Santa Catarina e Escola Superior de Administração e Gerência. Florianópolis, 1º de dezembro de......

Words: 25432 - Pages: 102

Free Essay

Tecnologia

...Competitivas de Empresas Varejistas do Segmento Farmacêutico na Cidade de Campina Grande – Pb: Aplicação das Cinco Forças de Porter João Gabriel de Lima Perdigão joaogabrielperdigao@gmail.com UFPE - MPA PROPAD Maglianne Lisele Pereira Barbosa Perdigão maglianne@gmail.com UEPB / FAC-CG Walter Fernando Araújo de Moraes walter.moraes@ufpe.br UFPE - PROPAD Resumo:Diante de um mercado cada vez mais competitivo e dinâmico, é fundamental que as empresas estejam aptas a analisar o ambiente na qual estão inseridas e a partir daí traçar estratégias que as coloquem num patamar de destaque em relação aos concorrentes, garantindo um posicionamento estratégico no mercado e aumentando suas chances de auferir maiores lucros. No setor farmacêutico, em pleno crescimento e de intensa rivalidade, a adoção de estratégias competitivas torna-se condição indispensável para a sobrevivência e permanência no mercado e coloca em evidência o trabalho do estrategista em compreender e enfrentar a competição. O objetivo deste estudo é analisar as estratégias competitivas de duas redes de farmácia localizadas na cidade de Campina Grande – PB, à luz das cinco forças de Porter. As empresas estudadas foram a Rede Farmácia Dias e a Redepharma. Para tanto, utilizou-se de pesquisas tipo exploratória, descritiva, bibliográfica e estudo de caso. Foram realizadas entrevistas com os gestores das empresas. Como resultado, através da análise setorial, constata-se que ambas empresas, no tocante às cinco forças......

Words: 6870 - Pages: 28

Free Essay

Sistema Informação

...Campos, Ricardo. (2008). Apresentação de Sistemas de Informação. Data Warehouse, SQL Server Business Intelligence Development Studio. Conceitos de CRM e Data Mining. Tabelas Dinâmicas no MS Excel. 417 slides. Sistemas de Informação Ricardo Campos (ricardo.campos@ipt.pt) © Ricardo Campos [ h t t p : / / w w w . c c c . i p t . p t / ~ r i c a r d o ] Sistemas de Informação Autoria Esta apresentação foi desenvolvida por Ricardo Campos, docente do Instituto Politécnico de Tomar. Encontra-se disponível na página web do autor no link Publications ao abrigo da seguinte licença: Mais detalhes em: http://creativecommons.org/licenses/by-nc/3.0/deed.pt O seu uso, de parte ou da totalidade, pressupõe a utilização da seguinte referência: Campos, Ricardo. (2008). Apresentação de Sistemas de Informação. Data Warehouse, SQL Server Business Intelligence Development Studio. Conceitos de CRM e Data Mining. Tabelas Dinâmicas no MS Excel. 417 slides. A sua disponibilização em formato PPT pode ser feita mediante solicitação (email: ricardo.campos@ipt.pt) © Ricardo Campos [ h t t p : / / w w w . c c c . i p t . p t / ~ r i c a r d o ] Sistemas de Informação Ricardo Campos [http://www.ccc.ipt.pt/~ricardo/] 1 Campos, Ricardo. (2008). Apresentação de Sistemas de Informação. Data Warehouse, SQL Server Business Intelligence Development Studio. Conceitos de CRM e Data Mining. Tabelas Dinâmicas no MS Excel. 417 slides. Bibliografia Recursos: Ralph Kimball, Laura......

Words: 35397 - Pages: 142

Free Essay

Tecnologia Nas Relações de Trabalho

...Neste primeiro momento, vamos discutir o que é tecnologia da informação? Estes conceitos são unânimes ou existe diferença entre eles? Tragam os conceitos de diversos autores. O Brasil é o 7º maior mercado de TI, com estimativas de movimentar R$ 300 bilhões no ano atual. Segundo o guía do estudante **, a tecnologia da informação é o uso dos meios de tecnologia da informação para melhorar e agilizar a comunicação em vários setores, como uma escola, uma empresa ou um órgão público. Esse conceito é unânime quando falamos de definição mas variam dentro das funções e padrões de seviçoes dentro desta tecnologia, como por exemplo os softwears an hardwear, e os programas personificados específicos, desenhados para empresas como os laboratórios veterinários nos EUA, entre outros. Em um passado não muito distante falavamos em meagabytes ou gigabytes, hoje pelo crescimento da comunidade na internet ,do armazenamento de dados, e uma demanda cada vez mais por servços e da vida na Internet faz com que a gerência esteja voltada para o aramazenamento de dados nas nuvens o que no Inglês se diz " On the clouds" . Por aqui podemos observar que todas as categorias da sociedade como comércio, instituições de ensino como a UCB apontam para a rapidez e a possibilidade de tudo acontecer através da internet, um constantes desafio não só para os profissionais de TI, mas para todos nos que temos que nos adaptar e e exercer a literalidade Internetês. *Veja aqui:......

Words: 282 - Pages: 2

Free Essay

Tg-001 – Importância Estratégica Da Tecnologia E Da Gestão Da Produção Pós-Graduação Lato Sensu - Tecnologia E Gestão Da Produção de Edifícios – Mba-Up/Tgp

...TG-001 – Importância estratégica da tecnologia e da gestão da produção Pós-Graduação Lato Sensu - Tecnologia e Gestão da Produção de Edifícios – MBA-UP/TGP PECE – Programa de Educação Continuada da Escola Politécnica PLANEJAMENTO EMPRESARIAL RESUMO TEÓRICO – ARTIGOS E CASOS TRABALHO ELABORADO POR Helton Haddad Silva COM A COLABORAÇÃO DE Evandro Tenca São Paulo, Fevereiro de 2003 2 ÍNDICE ÍNDICE .................................................................................................................................................................................... 2 INTRODUÇÃO ....................................................................................................................................................................... 3 I- O PLANEJAMENTO ......................................................................................................................................................... 4 1- O QUE É PLANEJAMENTO? ............................................................................................................................................... 4 2- DIMENSÕES DO PLANEJAMENTO: ..................................................................................................................................... 4 3- BENEFÍCIOS DO PLANEJAMENTO: ..................................................................................................................................... 5 II- O PLANEJAMENTO EMPRESARIAL:......

Words: 12194 - Pages: 49

Free Essay

Tendencias Globales de Logística

...1. Tendencias Globales de Logística La evolución de la sociedad actual ha estado marcada por el desarrollo tecnológico en gran variedad de campos de la ciencia. Gracias a los desarrollos tecnológicos el hombre puede disponer de servicios y calidad de vida que hasta hace pocos años eran impensables. Con las nuevas tecnologías, el tiempo y la distancia dejan de ser obstáculos. Así, dos ejemplos perceptibles son la movilidad y la comunicación las cuales permiten conectarnos en voz y audio con personas que se encuentren al otro lado del mundo sin conocer fronteras. A continuación se listan y resumen las principales tendencias Globales de Logística que están cambiando la logística. 1.1. Energías Limpias Son una de las primeras tendencias en la logística en este sentido, se ha destacado que las grandes empresas logísticas invierten en tecnologías limpias, que tienen el objetivo de reducir el consumo y por consiguiente el coste final por kilómetro, y por este motivo la distribución se verá afectada con una mayor flexibilidad del coste del combustible. Ejemplo de ellos son los vehículos eléctricos e híbridos, este desarrollo está enfocado principalmente a la mejora de procesos ya existentes, cuyo fin es sustituir los vehículos con motores de expansión. El valor añadido de esta tecnología es el compromiso con el medio ambiente. Desde varios años se tiene conciencia de la necesidad de buscar fuentes alternativas de combustión para los vehículos. En esta línea nacen......

Words: 952 - Pages: 4

Free Essay

Contributo Da Tecnologia Para O Marketing E Para a Melhoria Dos Serviços Oferecidos Aos Clientes

...------------------------------------------------- ------------------------------------------------- Tema 6 – Contributo da tecnologia para o Marketing e para a melhoria dos serviços oferecidos aos clientes Análise da Unidade hoteleira das Letras Projeto de Investigação aplicado - Licenciatura em Gestão Hoteleira Professor orientador: Dr. António de Castro Nome completo dos alunos: Aluno 1: André Filipe Inácio Lopes, nº 27836 Aluno 2: Alexandre Pereira da Silva Inness Larangeira, nº 27460 Aluno 3: Miguel Jorge Belo de Oliveira Frasco, nº 27778 Aluno 4: Simão Emanuel Alvarez Castelo dos Santos, nº 28034 Lisboa, 01 de Abril de 2013 * Declaração de autoria O conteúdo deste relatório é da exclusiva responsabilidade do(a) autor(a). Mais declaro que não incluí neste trabalho material ou dados de outras fontes ou autores sem a sua correta referenciação. A este propósito declaro que li o guia do estudante sobre o plágio e as implicações disciplinares que poderão advir do incumprimento das normas vigentes. ------------------------------------------------- ------------------------------------------------- ------------------------------------------------- Data Assinatura * Agradecimentos Texto * Resumo Texto. * * Abstract Text * Lista de Abreviaturas ou Glossário Texto * Índice de Figuras/imagens (se aplicável) Texto * Índice de quadros/gráficos (se aplicável) Texto *......

Words: 3781 - Pages: 16

Free Essay

Psicologia Aplicada à AdministraçãO

...PSICOLOGIA APLICADA À ADMINISTRAÇÃO INTRODUÇÃO O que é psicologia? Quando olhamos esta ciência sob a ótica popular, verificamos que existem diversas confusões conceituais e até a popularização de termos por ela utilizada e entendidas de forma equivocada . Apesar de muitos acreditarem que o objeto de estudo desta ciência refere-se ao estudo da mente, do subconsciente, do pensamento etc. A psicologia moderna tem na verdade como objeto de estudo o comportamento, podemos dizer que o psicólogo tem como meta explicar o pensamento através do comportamento, na tentativa de compreender de forma mais científica o indivíduo. Algumas confusões se devem, talvez, a utilização de diversas visões para explicar o mesmo comportamento, isto é, a psicologia se utiliza de algumas teorias, que tentam explicar o mesmo objeto de estudo (comportamento), visto por ângulos diferentes, assim como o fazem outras ciências, tais como a medicina. No entanto, por se tratar de um estudo extremamente complexo, o entendimento popular passa a ser mais difícil e muitas vezes equivocado, levando muitos a acreditarem ser a psicologia algo subjetivo e até irreal, ou pouco científico. 1. HISTÓRIA DA PSICOLOGIA Os primeiros passos da Psicologia A psicologia é uma ciência jovem , a pré-história da psicologia confunde-se com a história da filosofia, considerada sua irmã caçula tendo atribuído seu nome de batismo a WOLF em1832/34 e seu objeto de estudo, assim como a......

Words: 12297 - Pages: 50

Free Essay

Teoria Geral Da Administração

...TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO Teoria Comportamental da Administração O comportamento humano é explicado por Maslow através de cinco níveis de necessidades. Estas necessidades são dispostas em ordem hierárquica, desde as mais primárias e imaturas (tendo em vista o tipo de comportamento que estimulam) até as mais civilizadas e maduras. Embora esta referência seja amplamente utilizada, podemos observar que as necessidades humanas descritas por Maslow podem ser consideradas motivações humanas, ou seja, são as diversas necessidades que fazem com que o homem tenha motivação para agir. A oposição da Teoria das Relações Humanas (com profunda ênfase nas pessoas) à Teoria Clássica (com sua profunda ênfase nas tarefas e na estrutura organizacional) caminhou para a Teoria Comportamental. Teoria do Desenvolvimento Organizacional O modelo de sistema aberto é sempre um complexo de elementos em interação e intercâmbio contínuo com o ambiente. A empresa reage a seu ambiente ajustando-se e adaptando-se a ele para sobreviver, e muda seus mercados, produtos, técnicas, e estruturas. O sistema aberto tem capacidade de crescimento, mudança, adaptação ao ambiente e até auto reprodução, naturalmente sob certas condições ambientais. A constante e rápida mutação do ambiente - O mundo moderno caracteriza-se por mudanças rápidas constantes e numa progressão explosiva. A necessidade de contínua adaptação - O indivíduo, o grupo, a organização e a comunidade são sistemas dinâmicos e vivos de......

Words: 1984 - Pages: 8

Free Essay

Levantamento de Oportunidades Da AlicaçãO Das Ferramentas Lean Em Agricultura de PrecisãO: Propostas Dentro Do Setor Sucroalcooleiro

...0 FUNDAÇÃO DE ENSINO “EURÍPIDES SOARES DA ROCHA” CENTRO UNIVERSITÁRIO EURÍPIDES DE MARÍLIA – UNIVEM CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MARCELO RIYUDI SHIRAISHI LEVANTAMENTO DE OPORTUNIDADES DA ALICAÇÃO DAS FERRAMENTAS LEAN EM AGRICULTURA DE PRECISÃO: PROPOSTAS DENTRO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO MARÍLIA 2013 FUNDAÇÃO DE ENSINO “EURÍPIDES SOARES DA ROCHA” CENTRO UNIVERSITÁRIO EURÍPIDES DE MARÍLIA – UNIVEM CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MARCELO RIYUDI SHIRAISHI LEVANTAMENTO DE OPORTUNIDADES DA APLICAÇÃO DAS FERRAMENTAS LEAN EM AGRICULTURA DE PRECISÃO: PROPOSTAS DENTRO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO Trabalho de Curso apresentado ao Curso de Engenharia de Produção da Fundação de Ensino “Eurípides Soares da Rocha”, mantenedora do Centro Universitário Eurípides de Marília – UNIVEM, como requisito parcial para obtenção do grau de Bacharel em Engenharia de Produção. Orientador: Prof. Dr. ROGRIGO FABIANO RAVAZI MARÍLIA 2013 SHIRAISHI, MARCELO RIYUDI LEVANTAMENTO DE OPORTUNIDADES DA APLICAÇÃO DAS FERRAMENTAS LEAN EM AGRICULTURA DE PRECISÃO: PROPOSTAS DENTRO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO / MARCELO RIYUDI SHIRAISHI; orientador: RODRIGO FABIANO RAVAZI. Marília, SP: [658.515], 2013. 94 f. Trabalho de Curso (Graduação em Engenharia de Produção) Curso de Engenharia de Produção, Fundação de Ensino “Eurípides Soares da Rocha”, mantenedora do Centro Universitário Eurípides de Marília –UNIVEM, Marília, 2013. 1. Cidadania 2. Moralidade......

Words: 27801 - Pages: 112

Free Essay

Logistica

...Incompleta | 0 | Secundaria Completa | 0 | Técnico o tecnólogo | 13 | Profesional | 4 | Total | 17 | Competidores principales * EnGarde Peru * Compañia Industrial Bancroft, S.A.C. * Caddin, S.A.C. Clientes principales * Fuerzas armadas del Perú * Policía nacional del Perú * Empresas de seguridad. Organigrama de cada empresa Descripción del Área de Logística de la empresa y su relación con el ambiente interno de la empresa. En la empresa todo comienza cuando se recepciona la materia prima (telas, laminas, mechas, tapas) para después llevarlos a su área respectiva, es decir a sus almacenes donde los operarios sacaran poco a poco dependiendo de la demanda llevando los materiales a las maquinarias correspondientes para efectuar la transformación o ensamble dependiendo del producto y crear el producto para después llevarlo al almacén de productos terminados, de ahí se cargara las unidades necesarias para que sean repartidas por una camioneta a los clientes o en todo caso al cliente que está esperando en la oficina. Identificar la Logística inversa, así como los canales de distribución o comercialización de la empresa. Con un pequeño esquema se podrá explicar cada uno de las entidades que afectan en este proceso. Cliente ==> Empresa origen ==> Reciclaje y desecho de piezas ==> Inicio de un nuevo ciclo de producción En este caso el cliente no regresa el producto, si no que cuando se acaba su ciclo del producto el......

Words: 1259 - Pages: 6

Free Essay

Caso Da Tibett and Britten Em Portugal

...Tibett & Britten A Tibett and Britten é um exemplo de uma gestão logística muito desenvolvida. Pois gera as suas operações à medida de cada cliente e para além disso, das próprias dinâmicas deste. Isto é, configura a logística consoante as necessidades do cliente ao longo do ano (ex. a C & A modas ao longo do ano). Como se pode constatar os operadores logísticos são cada vez mais parceiros de negócios dos produtores, com o objectivo de fazer chegar os produtos destes ao consumidor. Como consequência, aumenta a importância da logística na distribuição e gestão das operações, acompanhando os aumentos de consumo dum produto com o incremento deste nos retalhistas. Assim surge a T&B, que gere a distribuição de vários tipos de bens, concebendo armazéns, desenhando fluxos de mercadorias e informação, definindo métodos de manipulação das mercadorias, com o objectivo de optimizar os processos inerentes à distribuição dos produtos, permitindo uma redução da disparidade de funcionamentos e melhor combinação entre o que é produzido e o que é consumido. A T&B como operador logístico também inova relativamente as restantes operadores. Nomeadamente ao alterar conceito mais comum de multicliente (diferentes clientes- um armazém) para “Uma operação um cliente”, ou seja uma operação projectada à medida da realidade de cada cliente em que para cada um deste há um armazém, acabando o operador logístico (neste caso a T&B) por ser o interface entre o produtor e o retalhista, o......

Words: 393 - Pages: 2

Free Essay

Estrategia Y Logistica de Imaginarium

...Estrategia y logística actual: Imaginarium surgió como una empresa familiar, y ha llegado hasta donde está sin fijarse en referentes. Construye un modelo organizativo mediante la implantación de una integración vertical en la organización, desde el departamento de diseño hasta la venta al cliente final. Se distribuye directamente del almacén central a las tiendas, sin intermediarios, y las tiendas no disponen de almacén. Por estas razones, la logística es crítica en la organización, en cualquiera de los tres canales de distribución que utiliza la empresa: las tiendas, Internet y el catálogo. Desde el principio, su formato comercial se basó en el desarrollo de un nuevo concepto de tienda especializada, dirigida por expertos en juguetes y un nuevo concepto de distribución eficaz. La integración vertical se plasma en las siguientes estrategias: - Estrategia multicanal. -Estrategia global de mercado logística y comunicación. - Estrategia de encadenamiento. Las claves o secretos de Imaginarium, además de la estrategia anteriormente descrita, son cuatro: - Inalteración - Fragmentación - Diversidad. - Falta de referentes. La mayoría de las empresas de juguetes se olvidan de que la personalidad de cualquier persona se forja en los seis primeros años de vida. Imaginarium tiene presente que es lo que quieren los niños, alejándose de una posición mercantilista, y también tiene en cuenta lo que quieren los padres, que es hacer lo mejor por sus hijos, darles unos juegos......

Words: 1776 - Pages: 8

Free Essay

Impacto Da Tecnologia No Custo Do Tratamento Da Aids

...IMPACTO DA INTRODUÇÃO DE NOVAS TERAPIAS MEDICAMENTOSAS NOS CUSTOS DO TRATAMENTO AMBULATORIAL DE PACIENTES HIV/AIDS Marina Oliva de Almeida Garcia São Paulo Novembro – 2009 SUMÁRIO Este trabalho traz estimativas do custo específico anual por paciente do tratamento do HIV/Aids em unidades de atendimento ambulatorial do município de São Paulo para dois períodos, 1996 e 2006. Os resultados obtidos para cada ano foram comparados por estágio de gravidade da doença e por componentes de custo, a saber, procedimentos médicos, exames, medicamentos anti-retrovirais e outros medicamentos. Para os cálculos, foi utilizada a metodologia de custo-padrão desenvolvida pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas - FIPE (2008). Os resultados indicam que o custo específico anual médio foi quase duas vezes maior em 2006, quando comparado com 1996, e que esse crescimento é decorrente principalmente da evolução da tecnologia no tratamento do HIV/Aids, com a descoberta de novos anti-retrovirais e seu potencial de uso combinado, mais eficazes em manter a saúde e a qualidade de vida dos pacientes infectados. ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO ..................................................................................................... 5 2 EMBASAMENTO TEÓRICO................................................................................ 9 2.1 Tecnologia ....................................................................................................................... 9 2.1.1......

Words: 12034 - Pages: 49