Contabilidade

In: Business and Management

Submitted By TomasElvas
Words 1409
Pages 6
UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA
Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais

CONTABILIDADE FINANCEIRA I
1ª FREQUÊNCIA

Equipa Docente:

Data: 25 de Outubro de 2008

Helena Almeida

Duração:

2 h e 15 m

Luiz Ribeiro
Luís Janeiro
Sofia Pereira

RESPONDA A CADA GRUPO EM FOLHAS SEPARADAS
GRUPO I - (10 valores – 60 minutos)
A FashionWoman, SA dedica-se à importação de vestuário feminino de grandes costureiros internacionais.
Durante o mês de Outubro realizou as seguintes operações nos seguintes dias:
4 Out – Aquisição de vestuário a um costureiro francês no montante total de € 10.000. Por ter pago a pronto pagamento a empresa beneficiou de um desconto de 5%.
8 Out – Pagamento do seguro do último trimestre, do armazém no montante total de € 3.000.
11 Out – Obtenção de um empréstimo junto do banco BEP no montante de € 80.000 € por um período de 5 anos. O empréstimo vence juros mensais de € 400, pagos nesta data.
13 Out – Nossa factura a 30 dias, referente a 50% da mercadoria adquirida no dia 4 de Outubro pelo montante de €7.500.
15 Out – Aquisição de um computador e de mobiliário de escritório para as novas instalações da empresa, num total de € 45 000, sendo 50% a pronto pagamento e o restante a crédito.
18 Out – Nota de Encomenda ao costureiro Italiano para aquisição de parte da sua nova colecção pelo montante de € 8 000.
Contabilidade Financeira I – 1ª frequência – ano lectivo 2008 / 2009

1

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA
Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais

20 Out – A mercadoria adquirida no dia 4, e ainda não vendida, foi avaliada em € 6.000, como consequência da grande originalidade na confecção desta colecção.
22 Out – Aviso de crédito no Banco BEP referente a juros de uma aplicação a prazo, no montante de € 300.
24 Out – Transferência da conta bancária da empresa para a conta pessoal de um dos seus…...

Similar Documents

Controladoria E Gestão

...além de a carga tributária efetiva ser elevada, os brasileiros desinformados estão mais propensos a pagarem seus tributos erroneamente, por fazê-lo, muitas vezes, antes do prazo estabelecido em lei ou por desembolsar valores além do determinado pela legislação. Dado o elevado grau de importância dos encargos tributários para as empresas, o que se pretende com o desenvolvimento desta pesquisa é avaliar a percepção dos controllers em relação ao desenvolvimento das práticas de gestão tributária. Para alcançar o objetivo proposto neste artigo, foi realizada uma pesquisa de campo do tipo exploratória, por meio do método de coleta de dados por questionários, tendo sido utilizadas informações dos controllers ou dos responsáveis pela contabilidade que acumulam a função de controller. Assim procurou-se responder à seguinte questão: qual é a percepção dos controllers das empresas de Bauru quanto às práticas de gestão tributária? Esse questionamento justifica-se, pois o Brasil possui um sistema tributário que, infelizmente, onera o contribuinte; além disso, possui uma estrutura que traz, ao mesmo, uma constante insegurança em relação a estar ou não cumprindo com todas as obrigações exigidas pelo fisco, por conta de sua complexidade e pelas constantes mudanças apresentadas pelo governo. Nos dias de hoje, dado o elevado nível dos encargos tributários e seus impactos nos preços e, consequentemente, na competitividade das empresas nos mercados em que atuam, torna-se......

Words: 5888 - Pages: 24

Strategic Management

...Referências;     Data; Código de identificação do hotel; Iniciais do empregado; N.º do registo do cancelamento;  Exemplo     2009 – dia 22 de Outubro 12 – n.º de código do hotel (caso das cadeias) PC – iniciais do empregado (Paulo Campos) 197 – n.º consecutivo do cancelamento  Assim 200922PC12197 será o n.º de registo deste cancelamento 76 FRONT OFFICE Accomodation – Conceitos Gerais 1. GESTÃO DE RESERVAS 1. 2. 3. Disponibilidade Contabilidade de depósitos Contabilidade de agências BACK OFFICE 1. GESTÃO DE CONTAS 1. 2. 3. Contas a receber Contas a pagar Cobranças e desembolsos Plano de contas Registo de transacções Comparações orçamentais Controlo de tempos Folhas de pagamentos Registos de pessoal/cheques Inventários Pedidos de encomenda Relatórios pedidos de compra 2. GESTÃO DE QUARTOS 1. 2. 3. Registo/distribuição de quartos Governanta/serviço de hóspedes Arquivo histórico de clientes 2. CONTABILIDADE GERAL 1. 2. 3. 3. SERVIÇOS DO PESSOAL 1. 2. 3. 3. 4. CONTABILIDADE DE CLIENTES GESTÃO GERAL 1. 2. 3. Estatísticas operacionais Relatórios de bases de dados Relatórios de produtividade 4. GESTÃO DE STOCKS 1. 2. 3. 77 a auditoria nocturna Accomodation – Conceitos Gerais 1. Qual o montante diário de receita gerada por cada centro de vendas? Qual o montante do débito dos clientes? 2. 78 fases da auditoria nocturna Accomodation – Conceitos Gerais 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. Proceder ao lançamento de......

Words: 3171 - Pages: 13

Cont Custos

...CONTABILIDADE DE CUSTOS II Licenciatura em Gestão de Empresas 2009/2010 CONTABILIDADE DE CUSTOS II CAPÍTULO I O CUSTEIO BASEADO NA ACTIVIDADE (CBA) ACTIVITY-BASED COSTING (ABC) 1 O CUSTEIO BASEADO NA ACTIVIDADE CONTEXTUALIZAÇÃO A estrutura de custos industriais tem sofrido uma alteração no peso atribuído a cada componente. Hoje, em muitos sectores de actividade, os recursos são utilizados principalmente em actividades que são consideradas Gastos Gerais de Fabrico. Por exemplo, os investimentos em Investigação e Desenvolvimento, Marketing, Serviços Pós-Venda. Os sistemas tradicionais de apuramento de custo têm manifestado uma utilidade limitada devido essencialmente à distorção no processo de análise da rendibilidade dos produtos provocada pelos critérios de absorção dos custos indirectos. O extremo existe quando a empresa utiliza uma única base para imputar todos os gastos gerais de fabrico. Nestes sistemas a lógica da absorção de custos está ligada a uma perspectiva da Contabilidade de Gestão/Analítica, como instrumento de reporte dos factos passados. O CUSTEIO BASEADO NA ACTIVIDADE CONTEXTUALIZAÇÃO Fonte: H. Jordan, J. C. Neves, J. A. Rodrigues Factores 1. Orientação da empresa 2. Mercados alvo 3. Fixação de preços 4. Gama de produtos 5. Tecnologia de fabrico 6. Factores base do custo 7. Ciclo de vida 8. Exigência do cliente 9. Tecnologia de informação 10. Custo tecnologia informação Antes Produto Local Margem sobre preço custo Reduzida Fraca e......

Words: 1859 - Pages: 8

Perícia

...RESUMO DA NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE NBC TP 01 – NORMA TÉCNICA DE PERÍCIA CONTÁBIL CONCEITO A perícia contábil constitui o conjunto de procedimentos técnicos e científicos destinados a levar à instância decisória elementos de prova necessários a subsidiar à justa solução do litígio, mediante laudo pericial contábil e/ou parecer pericial contábil, em conformidade com as normas jurídicas e profissionais, e a legislação específica no que for pertinente. O laudo pericial contábil e o parecer pericial contábil têm por limite os próprios objetivos da perícia deferida ou contratada. A perícia contábil, tanto a judicial como a extrajudicial, é de competência exclusiva de contador registrado em Conselho Regional de Contabilidade. Entende-se como perícia judicial aquela exercida sob a tutela da justiça. A perícia extrajudicial é aquela exercida no âmbito arbitral, estatal ou voluntária. A perícia arbitral é aquela exercida sob o controle da Lei da arbitragem. Perícia estatal é executada sob o controle de órgão do Estado, tais como perícia administrativa das Comissões Parlamentares de Inquérito, de perícia criminal e do Ministério Público. Perícia voluntária é aquela contratada espontaneamente pelo interessado ou de comum acordo entre as partes. EXECUÇÃO O perito-contador assistente pode, tão logo tenha conhecimento da perícia, manter contato com o perito-contador, pondo-se à disposição para o planejamento, para o fornecimento de documentos em poder da parte que o...

Words: 923 - Pages: 4

Análise Balanço Gpa

...Contabilidade financeira: análise no comparativo 2012 | 2011 GPA em números • Maior grupo varejista do Brasil e maior empresa de distribuição da América do Sul: mais de 150 mil funcionários, 1.951 pontos de vendas, distribuídos em 19 estados e no Distrito Federal. Ações listadas na Bovespa desde outubro de 1995 e na Bolsa de Nova York (ADR nível III), desde maio de 1997. • • Estrutura de multiformato dividida em: supermercados (Pão de Açúcar, Extra), hipermercados (Extra), lojas de proximidade (Minimercado Extra), lojas especializadas (Ponto Frio, Casas Bahia) e atacado (Assaí Atacadista). Atuação também em comércio eletrônico, tanto na área de alimentos como não alimentos, e operações nos segmentos de postos de combustíveis e drogarias, com as bandeiras Extra e Pão de Açúcar. Em 2012, registrou de lucro líquido recorde de R$ 1,156 bilhão e receita bruta de vendas de R$ 57,234 bilhões. • • 2 Ativo Exercício Ativo Total 2012 35.396.234.000 2011 33.769.005.000 2010 29.932.748.000 2009 18.012.734.000 Ativo total apresenta desaceleração do crescimento (+) Aquisições e eficiência operacional Ativo Circulante (+) Disponibilidade (-) Contas a receber Ativo Não Circulante (+) Imobilizado e realizável a longo prazo • • • • • Aquisição Assaí e Ponto Frio Associação Casas Bahia Remunerações de aplicações financeiras Securitização de direitos creditórios e contas a receber. FDIC Investimento de R$1,5Bi, R$700M em novas lojas 3 Passivo &......

Words: 422 - Pages: 2

Custos Modelo

...10 CUSTOS INDUSTRIAIS Os custos são os desembolsos realizados para obtenção da produção, seja direta ou indiretamente, são aqueles gastos que sem os quais não existiria a produção alguma. Para Martins (2010), a contabilidade de custos surgiu a partir da contabilidade financeira devido à necessidade da avaliação dos estoques nas indústrias. Esta depois foi desenvolvida e trabalhada para práticas de gestão levando em conta as variáveis de controle e decisão. 10.1 Custo direto Ainda segundo Martins (2010), alguns custos podem ser apropriados diretamente ao produto quando houver uma medida de consumo, ou seja, é possível quantificar com precisão o valor gasto para produzir determinada quantidade de um item, sendo estes os custos diretos. Com base nestes conceitos os custos diretos da HJM Engenharia são os gastos com os componentes do Levantar, como os que são adquiridos de terceiros, a matéria prima utilizada para fabricação de componentes internos, a energia elétrica utilizada para tal produção e a mão de obra direta, ou seja, aquela que trabalha direto com o produto, que realmente está em contato com a produção do item. Estes custos diretos foram levantados analisando os preços disponíveis no mercado dos fornecedores e valores de salários com base no piso da categoria, conforme os quadros 58, 59, 60, 61 e 62. Quadro 58 – Custo direto de materiais componentes Fonte: Trevizan et al, 2013. Quadro 59 – Custo direto das matérias primas Fonte: Trevizan et al,......

Words: 1701 - Pages: 7

Artigo

...solicitadas pelos auditores do grupo. Alguns meses antes deste episódio ter sido divulgado ao mercado, precisamente em novembro de 2002, o Emerging Issue Task Force – EITF, criado para traçar e definir diretrizes de implementações de pronunciamentos emitidos pelo Financial Accounting Standard Board (FASB), publicou o EITF – 02-16, para tratar dos aspectos contábeis, pelo comerciante, de certos benefícios recebidos de um fornecedor. Esta orientação definiu alguns parâmetros para reconhecimento de bonificações como recebíveis e do tratamento contábil destes valores no custo das mercadorias adquiridas. No Brasil, ainda há uma lacuna nas normas contábeis, inexistindo pronunciamentos e posicionamentos formais por parte do Conselho Federal de Contabilidade (CFC), do Instituto dos Auditores Independentes do Brasil (IBRACON) ou da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), em relação à contabilização de bonificações sobre mercadorias. Neste vácuo, os auditores independentes de demonstrações contábeis de companhia abertas, por exemplo, têm se socorrido, muitas vezes, das normas adotadas internacionalmente, como o próprio EITF citado anteriormente, adaptadas aos princípios contábeis brasileiros (KPMG, 2003). Por outro lado, um grupo maior, formado por empresas de capital fechado e outras sociedades limitadas que atuam no setor de varejo, estão adotando procedimentos contábeis que nem sempre refletem a essência da transação. Como agravante, tais entidades estão sendo oneradas por uma carga......

Words: 5925 - Pages: 24

Gestão de Custos

...cada empresa. Contudo, de acordo com Rogers (2004), o administrador financeiro não deve considerar essas abordagens de manutenção de estoques as únicas possíveis para solucionar os problemas enumerados. Neste ponto, estratégias alternativas, tais como para se evitar o risco da flutuação dos preços de matérias-primas, a empresa poderá realizar contratos a longo prazo com os fornecedores, os quais deverão especificar os preços a serem pagos e as quantidades a serem entregues, ou ainda para estabilizar a demanda, a empresa poderá conceder descontos. 2.3 Gestão de Custos Segundo ressalta Horngreen (1978), a terminologia de custos deve ser pensada como medida no sentido contábil convencional, ou seja, dinheiro a ser pago por serviços. Na contabilidade gerencial, diversas bases de medição podem ser usadas como unidade. A unidade em questão não é sempre um produto físico; a unidade deve ser a estatística de produção facilmente definível que mais se correlacione com a ocorrência do custo. Desta maneira, a base pode diferir conforme o departamento. Conforme Kaplan e Cooper (1998), para a fabricação de qualquer produto a empresa é obrigada a fazer uma série de gastos relativos a itens como matéria-prima, mão-de-obra, energia elétrica, aluguel de galpões para a instalação da fábrica, etc. Estes gastos são denominados custos de produção ou simplesmente custos. Segundo Zucchi (1992), custo é “qualquer gasto voluntário feito pela empresa para a elaboração de seus produtos”. Além do custo,......

Words: 8911 - Pages: 36

Contabilidade

...Credora 207040103 Reservas de Lucros Credora 2.07.04.01.03.0001-1 Reserva Legal Credora 2.07.04.01.03.0002-0 Reserva Estatutária Credora 2.07.04.01.03.0003-8 Credora Credora 2.07.04.01.03.0005-4 Reserva para Contingências Reserva de Incent. Fiscais - Doações e Subv. para Investim. Reserva de Lucros a Realizar 2.07.04.01.03.0006-2 Prêmio na Emissão de Debêntures Credora 207040104 Reserva para Aumento de Capital (Lei n 9249/1995) Credora 207040105 Outras Reservas Credora 20705 Ajustes de Avaliação Patrimonial Credora 2070501 Ajustes de Avaliação Patrimonial Credora 207050100 Ajustes às Normas Internacionais de Contabilidade Credora 207050101 (-) Ajustes às Normas Internacionais de Contabilidade Devedora 20707 Outras Contas - 2070701 Outras Contas - 207070101 Lucros Acumulados Credora 2.07.04.01.03.0004-6 Credora 12 Laboratório de Prática Contábil II Prof. Marcos Lima 2.07.07.01.01.0001-7 Lucros Acumulados e/ou Saldo à Disposição da Assembléia Credora 207070102 (-) Prejuízos Acumulados Devedora 2.07.07.01.02.0001-1 (-) Prejuízos Acumulados Devedora 207070103 (-) Ações em Tesouraria Devedora 207070104 Outras - 3 Resultado Líquido do Período - 301 Result Líq do Período Antes do IRPJ e da CSLL - 30101 Resultado Operacional - 3010101 Receita......

Words: 14507 - Pages: 59

Auditing Revenue

...face aos riscos avaliados…………………………………………. 8 IV - Exemplos práticos ………………………………. 10 Bibliografia ..................................................................... 13 2 Trabalho a desenvolver pelo auditor no âmbito da validação do reconhecimento do Rédito I – Aspectos essenciais constantes dos normativos existentes no referencial nacional e IFRS 101. Interesse do tema O estudo das Normas Internacionais de Contabilidade aplicáveis vs Normas portuguesas e o seu enquadramento no âmbito da actividade do ROC em Portugal afigura-se pertinente num contexto actual de uma economia mundial marcada por uma vincada competição, que se apresenta cada vez menos global e cada vez mais metanacional, onde a comparabilidade e fiabilidade da informação financeira histórica e prospectiva se apresenta indispensável como fonte de dados para a avaliação da performance e controlo de gestão corporativo. 102. Normativo nacional As regras contabilísticas portuguesas encontram-se, na sua essência, vertidas no Plano Oficial de Contabilidade (POC) aprovado em 1989 e 1991 por transposição para o direito interno das 4ª e 7ª Directivas Comunitárias. Estas são complementadas pelas Directrizes Contabilísticas e Interpretações Técnicas emanadas pela Comissão de Normalização Contabilística. Adicionalmente, temos ainda outra legislação relevante onde se enquadram o Decreto-Lei 44/99, de 12 de Fevereiro, o Código das Sociedades Comerciais, o Código do Registo Comercial e......

Words: 2992 - Pages: 12

Jbnkvfdsakv

...Realize uma análise de risco de Flash Technologies e documentar as suas conclusões num relatório escrito. Use o modelo Quadro 1, desde nas próximas duas páginas. O modelo é organizado pelo General Business Riscos e indústria (por exemplo ventures estrangeiras, de alta tecnologia, etc.) utilizando apenas as informações previstas no caso (por exemplo, memorando, relatório anual, e artigo), identificar os objectivos-chave de negócios e estratégias e, em seguida, mapear os no modelo de negócio os riscos para o efeito potencial sobre o plano de auditoria. 2. Os auditores devem avaliar especialmente o risco de distorção relevante causada por erro ou fraude. Use o modelo Tabela 2 nas próximas duas páginas. Este modelo é organizado pela Riscos de Contabilidade Financeira (por exemplo, relações incomuns ou aumentos significativos nos saldos). Além disso, para ajudar a identificar fatores de risco, você também deve executar procedimentos analíticos baseados em dados financeiros da empresa e comparar esses resultados com as suas expectativas e os rácios da indústria geral e tendências. Você pode anexar os seus procedimentos analíticos para o modelo de solução. Por favor, forneça, de forma concisa, análise profissional polido e escrita. Obtenha às questões sem palavreado desnecessário. 3. Descreva como a tendência de confirmação pode afectar as avaliações de risco dos auditores. Descreva algumas estratégias para mitigar viés potencial causado por essa tendência. 4. Que "quadros de......

Words: 454 - Pages: 2

Contabilidade

...Mensuração subsequente de Ativos Fixos Tangíveis Licenciatura em Finanças Empresariais Unidade curricular: Contabilidade Financeira Intermédia Semestre: 3º Turma: TFD 32 Elementos que compõem o grupo de trabalho: Ana Catarina Cunha nº 20130689 Marisa Santos nº 20130020 Rodrigo Primor nº 20131002 Lisboa, 10 de Outubro de 2014 Índice 1 - Movimentos Contabilísticos………………………………………………………….2 2 – Reflexo das operações nas demonstrações financeiras ………………………………3 3 – Sugestões de divulgação……………………………………………………………...5 1 1- Movimentos contabilísticos Valor de aquisição terreno+edifícios Justo valor em 31/12/2013 (revalorização de 20000 €) 100 000,00 € 120 000,00 € Movimentos Terreno Revalorização do terreno Registo da revalorização Contas Débito Crédito 431 5891 Valor 5 000,00 € 5 000,00 € 20000 €x 0,25= 5 000,00 € Como estamos no modelo de revalorização e houve um aumento na revalorização fizemos uma revalorização direta de bens não depreciáveis. A base legal que utilizámos foi o parágrafo 39 da NCRF 7. Edifícios e outras construções Como o enunciado nos indica, vamos reexpressar proporcionalmente as depreciações com a alteração na quantia escriturada bruta do activo como está no parágrafo 35 da NCRF 7 alínea b) Depreciações acumuladas em 31/12/2013: 75000 x 3,5 x 0,02 5 250,00 € Indíce de revalorização = Justo Valor / Quantia escriturada I. Revalorização......

Words: 1501 - Pages: 7

Edcuacao

...dos PPGCC indica que o programa da USP é o que mais se destacou em 10 anos. As autorias estão relacionadas com o número de docentes de tempo integral e existência de concentração, aproximadamente, de 80% da produção científica dos programas de pós-graduação em ciências contábeis na região sul e sudeste. As pesquisas são, principalmente, da área de contabilidade financeira e a maior parte das autorias dos artigos é em colaboração múltipla. A formação docente principal é contabilidade e controladoria. Abimael de Jesus Barros Costa, Bacharel em Ciências Contábeis pelo Centro Universitário UNIEURO (2007) e Especialista em Auditoria e Perícia pelo Centro Universitário UNIEURO (2008). Mestre em Ciências Contábeis pela Universidade de Brasília UnB (2011). Professor Assistente do Departamento de Ciências Contábeis e Atuariais da Universidade de Brasília - UnB acosta@unb.br Palavras-chave: Comunicação Científica; Pesquisa em Contabilidade; Autoria Múltipla; Programas de Pós-graduação em Ciências Contábeis; Brasil. Paulo Roberto Barbosa Lustosa, Graduado em Engenharia Civil (FTESM, 1981) e doutor em Contabilidade e Controladoria (USP, 2001). Visiting Scholar (UIUC-USA), 19992000. Professor titular na UnB, Atualmente é coordenador-adjunto do Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis UnB, UFPB e UFRN. POST-GRADUATE PROGRAMS IN ACCOUNTING: THE PROFILE OF THE AUTHORSHIP OF SCIENTIFIC PRODUCTION OF TEACHERS IN NATIONAL JOURNALS......

Words: 8271 - Pages: 34

Controller Paper

...A CONTROLADORIA E O PAPEL DO CONTROLLER André Renato Bizarro  Eliane Ribeiro de Queiroz  Monique Luise Liette  1 CONTROLADORIA Abordagem Conceitual É o conjunto organizado de conhecimentos das ciências da administração, economia, psicologia, estatística e principalmente da contabilidade. Também pode ser compreendida como a ciência contábil evoluída, que passa a ser entendida como a ciência do controle em todos os aspectos temporais: passado, presente e futuro. Já segundo o dicionário Houaiss: s.f. 1.órgão ou departamento controlador, especialmente órgão do governo destinado ao controle financeiro. 2.função de quem exerce esse controle. 2 CONTROLADORIA Abordagem Procedimental A controladoria utiliza as Técnicas Gerenciais e o Sistema de Informações Contábeis. Funciona como um órgão administrativo com missão, funções e princípios norteadores definidos no modelo de gestão do sistema da empresa. 3 CONTROLADORIA Abordagem Utilitarista Tem a finalidade de apoiar as tomadas de decisões que servem de base para o planejamento e controle de tarefas. “É responsável pela (...) manutenção dos sistemas de informações e modelo de gestão econômica, que supram adequadamente as necessidades informativas dos gestores e como órgão administrativo que responde pela disseminação de conhecimento, modelagem e implantação de sistemas de informações.” Almeida, Parisi e Pereira in Catelli,1999 p.370 4 CONTROLADORIA No controle das......

Words: 1369 - Pages: 6

Gestão de Talentos

...cargo ou Competências Técnicas: • Cursando ou formado em Ciências Contábeis, Administração de Empresas ou Economia • Conhecimento na área de legislação contábil, análise contábil e contabilidade de custos • Conhecimento do Pacote Office (excelente domínio do Excel) • Experiência com o sistema Oracle. • Excelente redação e domínio gramatical em português 5. Competências Comportamentais: • Boa comunicação • Organização e atenção a detalhes • Criatividade • Facilidade para trabalho em equipe • Alto grau de motivação, liderança e iniciativa • Confiabilidade, responsabilidade e senso ético 6. Formação Acadêmica: • Cursando ou formado em Ciências Contábeis, Administração de Empresas ou Economia 7. Experiência Profissional: • Experiência de 1 ano na área de contabilidade 8. Remuneração/Benefícios • Salário compatível com o cargo • Plano médico e odontológico • Transporte • Seguro de vida 2. Montar um anúncio (aberto ou fechado ou semi-aberto) para o cargo que você analisou no exercício anterior, de acordo com os exemplos que tem na apostila em forma de anúncio (quadro). RECRUTAMENTO INTERNO Auxiliar Administrativo Contábil Requisitos: • Cursando ou formado em Ciências Contábeis, Administração de Empresas ou Economia • Experiência de 1 ano na área de contabilidade • Conhecimento do Pacote Office (excelente domínio do Excel) • Experiência com o sistema Oracle • Alto grau de motivação, liderança e iniciativa Oferece-se • Salário......

Words: 672 - Pages: 3